Perguntas para psicóloga sobre RELACIONAMENTO FAMILIAR

 Perguntas para psicóloga sobre RELACIONAMENTOS FAMILIARES

  1. Minha irmã tem ciúmes de mim com meus pais, meus familiares, enfim com tudo. Nunca faltei com ela, porque é uma pessoa de gênio forte. Para evitar briga, não falo nada, mas isso me faz mal, pois eu não vivo. Eu levo uma vida infeliz por causa disso. Como agir?

              Em primeiro lugar acho que você tem que pensar mais em você.

              As pessoas são diferentes e reagem diferentemente nas diversas situações da vida.

              Mas o fato de você não falar nada, guardar esse sofrimento para si e se está te fazendo mal, sugiro que converse com ela.

              Exponha seus sentimentos num diálogo sincero, sem ataques para que ela não se blinde e que te escute.

              Agora o que não dá, é você viver infeliz aceitando essa situação, o que me parece é que você está se permitindo sofrer por alguém que não está te valorizando.

              Afinal o que importa é ir em busca da nossa felicidade.

  • Minha irmã não é feliz. Tem vários problemas com isso e não quer a felicidade de ninguém.

              Acredito que o objetivo de qualquer família é um relacionamento familiar saudável, mas como todo relacionamento passa por conflitos, principalmente entre irmãos.

              É importante cada um assumir seu papel dentro da sua família e não deixar nas costas do outro.

              Geralmente, os conflitos fraternos sempre existem em alguma fase da vida, mas que poderá ser superado, dependendo desse laço familiar constituído na base do amor, respeito, privacidade e respeitando a individualidade.

              Por isso que sempre falo, que o segredo de qualquer relacionamento é o diálogo.

  • Meus irmãos não se dão bem comigo, pois sou a mais nova. Não sei o que fazer.

              Como vocês podem perceber, as perguntas que mais recebi foram entre os conflitos entre irmãos, então pensei em algumas dicas para melhorar essas situações:

– Use sempre a empatia, que é a capacidade de se colocar no lugar do outro, para ver como você se sentiria com determinada situação;

– Aproxime-se de uma maneira tranquila e saudável, sem ataques;

– Não ache que as atitudes dos outros, seja tudo contra você, não leve tudo tão a sério;

– Tenha sempre bom senso nas suas atitudes;

– Seja tolerante com os outros;

– Respeite a si mesmo e aos demais;

– Encare as situações de forma mais positiva, olhe sempre para o lado bom.

  • Meus pais me prenderam tanto quando eu era mais jovem, me privaram de tantas coisas as quais eu poderia experimentar que hoje tenho a oportunidade, mas não tenho vontade. É normal?

              Eu não sei quantos anos você tem, mas quando a gente é jovem, principalmente na adolescência, acreditamos que temos que fazer tudo que queremos como se não houvesse o amanhã.

              Existem famílias que são mais controladoras, mas os vínculos afetivos devem ser a base de tudo, o importante é buscar o equilíbrio.

              Mas nunca é tarde para ser feliz e ir em busca de seus sonhos.

  • Não tenho uma boa convivência com a minha irmã devido termos uma boa diferença de idade e ideias bem diferentes acerca da vida. Em muitas vezes, isso me incomoda pois fico bloqueada. Como agir diante disso?

              As pessoas pensam de formas diferentes, são diferentes e isso é muito bom. Imagina se todos fossemos iguais, pensando da mesma maneira?

              Cada um tem o direito de fazer suas escolhas, pois temos que ter espaço para privacidade, autonomia e individualidade.

              Então pense mais em você, no seu modo de ser, agir e pensar. Você está feliz consigo mesma?

  • A mãe do meu sobrinho (que não é minha cunhada) quer dar ele para minha mãe cuidar. Não concordo.

              Acho muito legal você se importar com a sua mãe, mas eu te pergunto: “A sua mãe quer cuidar dele?”

              Por mais que você ame sua mãe, queira o melhor para ela, ela terá que decidir isso.

              Vocês podem até conversar, mas a escolha cabe a ela.

  • Minha irmã acha que pode controlar meus passos, minha vida. Como dizer a ela sem ser grossa de que eu tenho mãe?

              Aúnica maneira que vejo é você conversar abertamente com ela, fale sobre seus sentimentos e desse controle.

              E observe o que você acha que faz para que ela queira tanto te controlar? Pense nisso.

              E lembre-se o relacionamento familiar saudável é o objetivo de qualquer família.

Vídeo do tema: Como lidar com os conflitos nos relacionamentos familiares?

Paula Espíndola

#relacionamentofamiliar #relacionamentospsicologia #paulaespindolapsicologa #insightpsique

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s