O casal morando com os sogros

O CASAL MORANDO COM OS SOGROS

O ditado popular já dizia: “Quem casa, quer casa!” por isso é fundamental o casal fazer planejamento financeiro para que consiga ter um lar somente do casal para iniciar uma nova vida a dois.

Sabemos o que seria o ideal, mas devido a tantas crises financeiras, nem sempre esse desejo de morar somente o casal é viável.

Quando se mora com os pais de um lado do casal, deve-se ter em mente, que os pais sempre querem ajudar, mas às vezes podem prejudicar, incendiando ou apaziguando uma situação em que o casal deveria enfrentar sozinho.

O ideal é que o casal resolva suas próprias situações, porque o relacionamento passa por crise e isso faz parte, é sinal que tem algo para melhorar, investir na relação.

Quem cuida da mente, cuida da vida!

Paula Espíndola

Psicóloga, psicoterapeuta de casal e terapeuta sexual

WhatsApp 11 98313 2371

@paulaespindolapsicologa

paulaespindolapsicologa@gmail.com

paulafreitaspsicologa@gmail.com

#relacionamentoamoroso #conflitoamoroso #relacionamentofamiliar #terapeutasexual #relacionamentospsicologia #paulaespindolapsicologa #insightpsique #psicologaonline

Como lidar com familiar doente do meu parceiro?

COMO LIDAR COM UM FAMILIAR DOENTE DO MEU PARCEIRO?

Encarar uma doença no ambiente familiar é algo delicado e muito difícil de encarar, mas necessário ter respeito e acolhimento pela dor do outro.

Todos nós estamos sujeitos a ter algum problema de saúde, inclusive de um ente querido.

O diagnóstico da doença de algum familiar gera uma mistura de sentimentos, dúvidas, medos, angústias.

O doente requer cuidados e acolhimento, mas a família como um todo é atingida e necessita de apoio, através de amigos, parceiro e ajuda psicológica.

Caso algum parente do seu parceiro esteja enfrentando alguma doença será fundamental dar esse apoio nesse momento difícil e nada melhor que um ombro amigo, acolhedor e caloroso.

Quem cuida da mente, cuida da vida!

Paula Espíndola

Psicóloga, psicoterapeuta de casal e terapeuta sexual

WhatsApp 11 98313 2371

@paulaespindolapsicologa

paulafreistaspsicologa@gmail.com

paulaespindolapsicologa@gmail.com

#relacionamentoamoroso #conflitoamoroso #relacionamentofamiliar #terapeutasexual #relacionamentospsicologia #paulaespindolapsicologa #insightpsique #psicologaonline

Perguntas para psicóloga sobre RELACIONAMENTO ABUSIVO – Parte 2

Perguntas para psicóloga sobre RELACIONAMENTO ABUSIVO – PARTE 2

  1. Estou ficando louca. Minha vida parou, eu fico o tempo todo pensando o que ele está fazendo. Vigiando 24 horas nas redes sociais dele. Querendo uma atenção que reconheço que é exagerada. Daí quando ele trata com indiferença, isso me mata por dentro, daí vem as crises de choro, falta de ar, desespero. Já cheguei a ligar 198 vezes sem parar. Ele sempre diz que sou doida, estou achando que devo ser mesmo.

              Estou vendo como você está sofrendo por não conseguir lidar com essa situação.

              Sugiro que procure uma ajuda psicológica, pois isso tudo poderá prejudicar até sua própria saúde.

              Para estar em um relacionamento saudável, ambos têm que querer essa união, curtindo estar juntos.

              E no seu caso não parece ser um relacionamento saudável, porque ele te trata com indiferença e você ainda persiste ligando insistentemente para ele.

              É importante ressaltar que quando enviamos a mensagem para a pessoa, ela tem a escolha de querer responder ou não, agora querer ganhar pelo cansaço, só irá te ferir e te afastar cada vez mais dele.

              Pense mais em você, eleve sua autoestima.

  • Vivi um relacionamento abusivo durante 16 anos e no final desse relacionamento, depois de uma traição, cai em mim e passei a enxergar que vivi um relacionamento abusivo. Como posso identificar que o que sinto por ele é dependência emocional e não amor? E a questão da traição, como superar isso se tenho autoestima muito baixa?

              Só de você ter reconhecido esse relacionamento abusivo já é um grande passo.

              Amor e dependência afetiva não combinam, porque o amor é algo bom, gostoso, leve, é para acrescentar, somar.

              E a dependência afetiva subtrai, prejudica a qualidade dos relacionamentos, porque só quer agradar o outro, esquecendo de si mesmo, colocando sua vida em segundo lugar, ter dificuldade de tomar decisões, gerando um grande desequilíbrio.

              Veja o que realmente quer para si, se suporta a traição que ocorreu, mas se você aceitou, então vire a página e não traga as amarguras do seu passado para seu relacionamento.

  • Por que a esposa demora tanto para perceber que o sofrimento é por causa do relacionamento abusivo? Por que a mulher não enxerga isso?

              Geralmente a mulher idealiza um relacionamento maravilhoso e perfeito, mas qualquer relação passa por dificuldades, deve-se estar atento.

              O abusador é cativante e faz você sentir-se errada em suas colocações e a pessoa acaba concordando para evitar discussões, ou seja, acaba agindo por medo da reação dele.

              E o pior é quando a pessoa que sofre abusos, questiona-se que está ocorrendo é normal.

              Deve-se estar atento nas atitudes e comportamento do parceiro.

  • Um homem considerado abusador, ele pode mudar? Ou em todos os relacionamentos ele abusará da sua parceira?

              Geralmente as características são da própria personalidade do abusador, ficando difícil mudar.

              Ele não reconhece que precisa de ajuda psicológica, acredita em suas convicções.

  • Como se reconstruir após um relacionamento abusivo emocionalmente?

              É evidente que não será fácil reconstruir, mas, com certeza, será possível. Aqui vão algumas dicas:

  • fique longe de pessoas que não lhe façam bem;
  • dedique-se aos amigos e familiares;
  • cuide mais de si, faça atividades que lhe dê prazer, por mais difícil que seja;
  • permita-se viver suas emoções;
  • procure ajuda psicológica para superar essa fase tão difícil.
  • Tem como mudar um relacionamento abusivo e ambos querem isso e não tem término? Meu atual namorado tinha comportamentos abusivos, ele me julgava dizia que era fácil por ter me relacionado com outros meninos antes dele, era horrível, todo dia, ele tinha uma crise, terminamos e em 15 dias voltamos, depois disso ele me pediu desculpas e se transformou, tem 4 meses nessa mudança, nunca mais tocou no assunto, qual a possibilidade dessas crises voltarem?

              Se a mudança partir dele, fica mais fácil.

              Dê tempo ao tempo, usufrua dos bons momentos, mas fique atenta para que ele não tenha recaída e caso isso ocorra, se imponha.

  • Como sair de um relacionamento abusivo e como criar coragem para isto?

              Para sair de um relacionamento abusivo:

  • pense mais em você e tenha autoconfiança;
  • não tenha medo de ficar sozinha, lembre-se antes só do que mal acompanhada;
  • não justifique os comportamentos do abusador;
  • faça psicoterapia.
  • Como superar um relacionamento abusivo?

              Para superar o relacionamento abusivo, esteja atento alguns pontos:

  • avalie seu relacionamento;
  • procure apoio de amigos e familiares;
  • coloque um ponto final em seu relacionamento;
  • não tenha recaídas, não o aceite novamente;
  • reflita nas atitudes do seu ex-parceiro;
  • aprenda a dar as rédeas da sua vida;
  • ressalto a importância da psicoterapia para os casos de relacionamento abusivo.

Vídeo do tema:

Paula Espíndola

Psicóloga, Psicoterapeuta de casal e Terapeuta Sexual

WhatsApp 11 98313 2371

#relacionamentospsicologia #paulaespindolapsicologa #insightpsique #psicologaonline #terapeutasexual #relacionamentoamoroso #fimdorelacionamento #dificuldadesrelacionamentos #relacionamentoabusivo

O relacionamento e a relação familiar

O RELACIONAMENTO E A RELAÇÃO FAMILIAR

Quando a pessoa se sente invadida em sua liberdade por seus familiares, deve se posicionar através de um bom diálogo familiar, pois a falta de comunicação gera muitos conflitos familiares.

Lembrando que o diálogo produtivo e assertivo aproxima as pessoas.

É fundamental, falar do que lhe incomoda, pontuar o que está atrapalhando a relação familiar para assim encarar as dificuldades que poderão ocorrer na relação familiar.

É primordial, estreitar os laços familiares com reciprocidade e quando se está disposto a essa abertura, fica mais fácil proporcionar o diálogo familiar e consequentemente um maior nível de companheirismo.

Quem cuida da mente, cuida da vida!

Paula Espíndola

Psicóloga, psicoterapeuta de casal e terapeuta sexual

WhatsApp 11 98313 2371

@paulaespindolapsicologa

paulaespindolapsicologa@gmail.com

#relacionamentoamoroso #conflitoamoroso #relacionamentofamiliar #terapeutasexual #relacionamentospsicologia #paulaespindolapsicologa #insightpsique #psicologaonline